Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Abertura oficial do Festival Arquivo em Cartaz
Início do conteúdo da página

Abertura oficial do Festival Arquivo em Cartaz

Escrito por Tassia Verissimo | Publicado: Terça, 11 de Dezembro de 2018, 13h28 | Última atualização em Terça, 11 de Dezembro de 2018, 15h40

A sede do Arquivo Nacional (AN) foi palco, nesta segunda-feira, 10 de dezembro, da abertura oficial da quarta edição do Arquivo em Cartaz - Festival Internacional de Cinema de Arquivo, promovido pela instituição. A Bossa Nova, um dos mais importantes gêneros da música brasileira, ganha destaque nesta quarta edição do festival. Seus 60 anos de história, seus principais personagens e suas músicas estarão presentes na programação. Odete Lara, atriz, cantora do movimento Bossa Nova e escritora brasileira, é a grande homenageada desta edição com mostra especial de filmes em 35mm.

A noite começou com a fala do curador do festival, o servidor Antônio Laurindo, que agradeceu a presença e o empenho da equipe do Arquivo Nacional. Nas palavras de Laurindo: “para que esse festival pudesse ser realizado, todo um grupo de servidores do Arquivo Nacional trabalhou muito para viabilizá-lo. A ideia é sempre buscar material de acervo e trazer para o público o que está sendo preservado aqui na instituição.

Representando a Diretora-Geral do Arquivo Nacional, Carolina Chaves de Azevedo, o Coordenador-Geral de Acesso e Difusão do Acervo, Marcos André Rodrigues de Carvalho, deu boas vindas ao público e ressaltou que o objetivo do festival, que já está em sua quarta edição, é destacar a importância e a preservação dos acervos cinematográficos, incentivar o uso dos arquivos em novas produções audiovisuais, aproximar o público expectador de sua própria história e reconectar com suas memórias afetivas. O Coordenador-Geral agradeceu ao grupo de trabalho do Arquivo em Cartaz, ao Ministério da Justiça, que priorizou o orçamento esse ano e viabilizou a verba para a realização do festival, à equipe da Coordenação de Logística do Arquivo Nacional, à Coordenação de Difusão do Acervo, à equipe de preservação técnica da Coordenação Geral de Processo Técnico e Preservação do Acervo e principalmente a todos os diretores de cinema, aos artistas, as atrizes, os atores e demais profissionais que constroem o cinema nacional.

Antonio Carlos da Fontoura, diretor, roteirista de cinema e ex-marido de Odete Lara, recebeu o troféu Batoque pelo histórico de sua obra. Em entrevista à Assessoria de Comunicação do Arquivo Nacional, Antonio Carlos revelou a alegria de ver Odete Lara sendo homenageada. Em suas palavras "esse Festival é muito importante porque o Arquivo Nacional preserva, dentre tantas coisas, a memória do cinema brasileiro e, particularmente, tenho muito apreço pela instituição que guarda os negativos de meus oito filmes de longa metragem. Acho fantástico saber que a Odete Lara é a grande homenageada desta edição, não apenas pelo cinema, mas também pela temática da bossa nova. Pouca gente sabe, mas ela foi uma grande cantora. Eu convivi com a Odete Lara uma parte da vida dela e via como as grandes personalidades da música da época queriam estar perto dela. Tive a oportunidade de realizar um trabalho que foi uma visita que fiz a um sítio dela, o que rendeu um documentário que mostra um lado de Odete muito revelador e que muitas pessoas não conheciam. Uma parte do documentário foi ligado à carreira dela e a outra ligada ao seu mundo espiritual.

Após a entrega do prêmio o público pôde acompanhar a exibição do especial “Retratos Brasileiros: Odete Lara”, dirigido por Antonio Carlos. A abertura oficial também contou com a Mostra Acervos, no qual apresenta uma seleção de filmes de arquivos e cinematecas do Brasil com o objetivo de divulgar e promover o patrimônio audiovisual de instituições como o Arquivo Nacional, Centro Técnico Audiovisual (CTAv), Cinemateca do MAM e Cinemateca Brasileira.

Foi exibido o curta “O que é que o Arquivo Tem Bossa Nova: um retrato em branco e preto”. Este filme, dirigido por Ana Moreira, foi realizado a partir de uma seleção de documentos audiovisuais preservados pelo Arquivo Nacional, que pretende sintonizar o espectador com a atmosfera desse movimento musical nascido em berço carioca, na segunda metade da década de 1950, batizado de Bossa Nova.

O acervo do Centro técnico audiovisual CTAv – Centro Técnico Audiovisual apresentou o documentário “O tempo e o som”, dirigido por Walter Lima Jr. e Bruno Barreto. O curta “Vinícius de Moraes – Música, Poesia e Amor”, do Acervo Cinemateca Brasileira e o documentário do Acervo da Cinemateca do MAM, “Bossa Nova”, dirigido por Carlos Hugo Christensen, também foram exibidos.

O evento foi encerrado com o show de Kátia B. A cantora e atriz apresentou canções, em especiais arranjos, que evocam o universo e repertório dessa artista que deixou sua marca única e indelével na cultura brasileira.

O objetivo do Arquivo em Cartaz - Festival Internacional de Cinema de Arquivo é destacar a importância da preservação dos acervos cinematográficos, assim como incentivar o uso destes arquivos em novas produções. Além de exibir filmes restaurados e raros, o festival oferece oficinas dedicadas à preservação e tratamento de arquivos cinematográficos, atividade fundamental para a memória audiovisual brasileira.

A entrada do Arquivo em Cartaz é gratuita. Endereços: Centro de Artes UFF - Rua Miguel de Frias, 9 - Icaraí, Niterói – RJ Telefone: (21) 3674-7515 | Arquivo Nacional - Praça da República, 173 – Centro Telefone: (21) 2179-1228 | Em caso de chuva as sessões ao ar livre serão exibidas no auditório do Arquivo Nacional.

Confira a programação completa aqui.

Texto: Assessoria de Comunicação do Arquivo Nacional / Camila Souza e Tássia Veríssimo.


Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons Atribuição-Sem Derivações 3.0 Não Adaptada (CC BY-ND 3.0)

registrado em:
Fim do conteúdo da página